Fitoterapia

Trata-se de uma técnica de tratamento natural através das plantas, conhecida na China há quase 3.000 anos, época em que os livros eram escritos em pergaminhos.Na época da última dinastia Han (25-220 dC), surgiu a Matéria Médica Clássica do Esposo Divino e Discussões de Desordens Induzidas pelo Frio (Shang Han Lun) de Zhang Zhong Jing, fontes de todas as prescrições utilizadas até hoje.

No Shang Han Lun, o autor separa as agressões externas (vento, frio, calor, umidade, secura) dos fatores internos (alegria, medo, raiva, melancolia, preocupação) como causas das doenças. Ele ainda distingue as energias que causam perturbações das infecções por penetração de um agente nocivo. Segundo a fitoterapia, devemos conservar o que se tem de mais precioso: o corpo, a energia vital dentro do corpo, a mente e o sangue (principalmente no caso das mulheres, pois elas sofrem naturalmente com deficiência de sangue por causa de partos e menstruações, etc). Por isso, a maioria dos fitoterápicos tem o caráter preventivo. O objetivo é não deixar o corpo adoecer.

FitoterapiaA Fitoterapia Chinesa é como a alquimia, combinando elementos (ervas). Para se ter uma fórmula bem sucedida é preciso conhecer as capacidades energéticas, curativas e sinérgicas das ervas, avaliando detalhadamente a interação de uma planta com as outras. Na formulação chinesa, existe uma erva Imperador, que vai determinar a ação da fórmula, as ervas Ministros, que ajudam a potencializar a ação do Imperador, as ervas Assistentes que são necessárias para o bem estar da pessoa e cuidam do estômago para que este receba bem a fórmula, e por fim as ervas Mensageiras que levam as ervas para o local necessário.

O respeito à milenar tradição da Fitoterapia Chinesa fez com que as fórmulas utilizadas hoje sejam as mesmas da Dinastia Han. Essas fórmulas magistrais encontradas nos livros em diversos idiomas são utilizadas e estudadas em quase todos os países. No Japão, desde 1950 o Ministério da Saúde Japonês reconhece 148 destas fórmulas como de utilidade pública.

Para a fitoterapia chinesa o mais importante é suprir a necessidade do corpo em determinado momento, afinal se você fornece o que o organismo está precisando, a pessoa fica em seu melhor estado, com a mente clara, alegre e com energia. Tudo fora desse estado é desequilíbrio. Ou seja, se o indivíduo tem dificuldade para dormir e necessidade de repousar, a fitoterapia tem, por exemplo, uma fórmula sedativa, que ajuda a pessoa a dormir melhor. Com isso, o indivíduo restaura sua energia e retoma seu equilíbrio. A necessidade de cada pessoa pode ser diagnosticada pela metodologia chinesa, observando o pulso e a língua, pelo diagnóstico japonês do Hara.

Assim sendo, a fitoterapia chinesa não pensa em cura, mas sim em equilíbrio, pois o organismo busca a autocura. Para isto, é preciso desestagnar algumas energias paradas. Um exemplo é a TPM (tensão pré-mestrual). Para medicina chinesa a TPM ocorre devido a estagnação do sangue no útero, por isso a mulher necessita de ervas que aqueçam e melhorem a circulação do sangue, principalmente naquela parte do corpo, para que assim o organismo volte ao seu estado de harmonia.