O I Ching

Dia 29 de outubro é o dia nacional do livro. Aproveitamos a data para falar um pouco sobre o I Ching. Também conhecido comoLivro das Mutações”, trata-se de um clássico chinês composto de várias camadas, sobrepostas ao longo do tempo, sendo um dos mais antigos e únicos textos chineses que chegaram até nossos dias. O I Ching pode ser compreendido e estudado tanto como um oráculo quanto como um livro de sabedoria. Na própria China, é alvo do estudo diferenciado realizado por religiosos, eruditos e praticantes da filosofia de vida taoísta.

O I Ching surgiu antes da dinastia Chou (1150-249 a.C.) e era um conjunto de oito Kua, figuras formadas por três e seis linhas sobrepostas. O I Ching escapou da grande queima de livros feita pelo tirano Ch’in Shih Huang Ti, no tempo em era considerado um livro de magia e adivinhação, o que levou a escola de magos das dinastias Ch’in e Han a interpretá-lo segundo outras visões.

As oito figuras que formam o I Ching estão na base da cultura que se desenvolveu na China durante milênios. Tudo que ocorre no céu e na terra tem sua imagem nos oito ideogramas, que estão continuamente se transformando um no outro. Têm várias camadas de significados, e representam processos da natureza.

Para os chineses a ordem do mundo depende de se dar o nome correto às coisas, portanto o significado de “I” sempre foi objeto de muita discussão. Alguns vêem o ideograma “I” como semelhante ao desenho de um camaleão, representando o movimento (como o lagarto) e a mutação (como o mimetismo do camaleão). Outros afirmam que o ideograma é formado pelo do Sol em cima e o da Lua embaixo, a mutação sendo simbolizada pelo movimento incessante destes astros no céu. Para o pensameno chinês, não há o que mude, há apenas o mudar. A mutação seria o caráter mesmo do mundo. Mas a mutação é, em si mesma, invariável, ela sempre existe. Portanto, “I” significa mutação e não-mutação. Subjaz, à complexidade do universo, uma ‘simplicidade’ que consiste nos princípios que estão por trás de todos os ciclos. Ao fluir com as circunstâncias se evita o atrito e portanto a resistência: esse é o caminho do homem sábio.

fonte: Wikipédia