Juramento / Kuan Kun

O Grão Mestre Li Wing Kay também introduziu no Brasil, antes do início de cada aula de arte marcial chinesa, a pronuncia do seguinte juramento:

  1. Eu me comprometo a treinar o corpo e o espírito para a paz.
  2. Eu me comprometo a reverenciar nossos ancestrais, e a respeitar mestres, professores e colegas.
  3. Eu me comprometo a não ser falso e seguir o caminho da verdade.
  4. Eu me comprometo a persistir no aperfeiçoamento físico, mental e espiritual.
  5. Eu me comprometo a ser paciente e humilde, galgando um a um, os degraus do conhecimento.
  6. Eu me comprometo a contribuir para que em nosso meio não ofereça abrigo aos mal-intencionados.
  7. Eu me comprometo a respeitar as demais filosofias e artes marciais.
  8. Eu me comprometo a zelar pelo respeito devido ao Kung-Fu.
  9. Eu me comprometo a ser o exemplo vivo da filosofia e da ética dos Mestres.

Depois disso, em algumas academias, também é feita uma reverência ao Kuan Kun. Essa saudação é apenas para mostrar respeito ao local de treino, aos colegas e aos seus superiores. Nada tem a ver com crença ou religião.

Kuan KunImperador Kuan Kun (Um mito das Artes Marciais)

O Kuan Kun é uma lenda, porém trata-se de uma das figuras mitológicas mais respeitadas de toda a China.

Diz a lenda que Wan Cheen Kuan veio ao mundo como um santo. Sua mãe, certa vez, sonhou que algo parecido com um sol entrou em sua barriga e, a partir daí, sentiu-se grávida. Ele nasceu dentro de um ovo vermelho como sangue. Seu pai pertencia ao exército, com um cargo de alto escalão. Ao ver o ovo, ele se sentiu enfurecido e sem pensar usou uma faca para matá-lo. Como todo ovo deve ser chocado e o pai de Wan Cheen Kaun decidiu ignorar as leis da natureza, o menino não nasceu comum. Seu corpo era como o de qualquer outra criança, mas o rosto era completamente vermelho.

 

 

Conta-se que Wan Cheen Kuan sempre foi uma pessoa correta, que não admitia maus procedimentos e chegava a ser bruto para reprimir pessoas ruins. Já adulto, atingiu o cargo de general no exército e era conhecido por ser um excelente lutador, nunca perdendo sequer uma batalha. Inclusive, ele criou uma arma, chamada de Kuan Tou (Kwan Tao), que era sua especialidade. Kun é uma palavra em chinês que significa “muito respeitado” e antigamente, após a palavra “rei”, era a palavra utilizada para denominar a categoria mais alta em termos de classe. Daí surgiu o nome Kuan Kun.

Dizem que ele morreu de velhice e, após sua morte, aparecia constantemente para seus soldados. Em uma de suas aparições, Kuan Kun disse: “Disciplina, coragem e espírito limpo são essenciais ao verdadeiro homem“.

Como era um homem corajoso, de espírito puro e muito inteligente, os lutadores chineses acreditavam que ele protegia as academias e todos aqueles que lhe dedicavam respeito. Por isso, além dos ambientes de luta, era comum que delegacias de polícia, tribunais e comércios colocassem a imagem de Kuan Kun na parede como forma de proteção. A tradição persiste até hoje na China e em vários estabelecimentos que tenham descendentes chineses ao redor do mundo, inclusive no Brasil.